23.03.2018 | 14h14

Werneck: Fundo Eleitoral valoriza ‘passe’ de deputado

A criação do fundo público eleitoral pelo Congresso, em reação à limitação do financiamento empresarial das campanhas pelo Supremo Tribunal Federal, está causando distorções no sistema eleitoral. Como grande parte dos recursos passará a ser distribuída com base no tamanho das bancadas na Câmara, a importância relativa do deputado federal na esfera política tornou-se, de repente, muito maior do que jamais foi.

A análise, publicada pelo Estadão nesta sexta-feira, 23, é do economista Rogério Werneck, professor titular do Departamento de Economia da PUC do Rio de Janeiro. “É essa distorção, induzida pelas regras de acesso aos recursos, que explica a acirrada disputa por deputados federais desde o início de março, quando foi aberta a janela de infidelidade que, por um mês, permitirá que políticos troquem à vontade de partido”, diz Werneck. “A deputados com boa votação vêm sendo oferecidos mais de R$ 2 milhões de verba para campanha, para que troquem de partido.”


VOLTAR PARA O ESTADÃO