14.11.2018 | 14h08

União não é banco

A reformulação do pacto federativo é uma demanda de governadores desde que a Constituição foi promulgada, em 1988: os Estados ficam inadimplentes e a União os socorre. No centro do debate feito nesta manhã de quarta, 14, com vários chefes de Executivos estaduais, em Brasília, a questão é mais complexa do que, somente, descentralizar o poder.

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola destaca um limite: “É preciso rever o relacionamento da União com Estados para que a União não fique como emprestador de última instância e os Estados não tenham incentivo para organizar suas contas”, disse ele em entrevista ao Estadão Discute, da TV Estadão.

 


Mais conteúdo sobre:

Gustavo Loyolapacto federativo
VOLTAR PARA O ESTADÃO