26.09.2018 | 08h17

Uma Previdência para o eleito

Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso, coordena um grupo de economistas, juristas e consultores legislativos que prepara uma reforma da Previdência que ele chama de “independente e suprapartidária”, que será oferecida para análise e eventual adoção ao presidente eleito em outubro. Em entrevista que fiz com ele e é publicada nesta quarta-feira no Estadão, Fraga calcula o tamanho do ajuste que será necessário nas contas públicas: da ordem de 6 pontos do PIB. E analisa como as propostas dos candidatos são vagas ou mesmo contraditórias para se alcançar esse resultado. / Vera Magalhães


VOLTAR PARA O ESTADÃO