01.01.2019 | 07h31

Um início por decretos

Jair Bolsonaro lançará mão de vários decretos, sob o argumento de que precisa destravar a máquina, para alterar portarias, instruções normativas e resoluções sem precisar se submeter ao crivo do Congresso. Reportagem do Estadão sobre o que deverão ser as primeiras medidas do novo presidente deverão abranger praticamente todas as áreas e não se restringirão a rever atos de Michel Temer. “O nosso compromisso é tirar o governo do cangote dos cidadãos. Desfazer a burocracia não depende do Congresso. Só depende da canetada do presidente”, declarou ao jornal o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

A reforma da Previdência é apontada pelos integrantes da futura administração como a medida prioritária. Eles admitem que não será fácil convencer a sociedade e o Congresso da sua urgência e reconhecem que fatores como a eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado podem ajudar ou atrapalhar a vida do governo no Legislativo.


VOLTAR PARA O ESTADÃO