05.09.2018 | 08h02

Um ‘Cironaro’ do lado dos mortadelas

Ciro Gomes deixou claro na sabatina Estadão/Faap que quer aproveitar o vácuo do PT para herdar, sim, os votos de Lula. Daí  a insistência na tecla do programa Nome Limpo e o uso voluntário (sem ser provocado) da retórica mais incisiva, a la “Cirão da Massa”, apelido que ganhou nas redes sociais.

A versão “Cironaro” — um candidato que fala grosso, mas está do lado dos “mortadelas”– deriva da percepção do candidato de que esta é uma eleição com vetor de mudança “radical”. Daí a nova ênfase contra o “baronato” – que engloba bancos, mídia, empreiteiras e sabe-se lá mais quem. Escrevi sobre isso na coluna desta quarta no Estadão. / Vera Magalhães


VOLTAR PARA O ESTADÃO