25.03.2018 | 07h23

TSE só deve analisar contas de 2018 em 2023

Sob a alegação de que falta gente para fazer o trabalho de fiscalização, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e os tribunais regionais eleitorais nos Estados só deverão analisar as contas das campanhas de 2018, que movimentarão R$ 2,6 bilhões de recursos públicos, em 2023, no limite da prescrição de eventuais irregularidades cometidas pelos candidatos e pelos partidos. Hoje, o tribunal ainda está julgando as contas da eleição de 2012, cujo o prazo de prescrição é 30 de abril.

 Segundo reportagem publicada pelo Estadão neste domingo, 25, o TSE afirma existirem hoje 226 cargos vagos de técnicos nos Estados e 23 em Brasília. Segundo o TSE, a culpa, claro, é da PEC do Teto dos Gastos, que limitou as despesas dos Poderes, para tentar conter o déficit gigantesco nas contas públicas. / J.F.

 

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO