18.07.2018 | 20h27

Ciro não consegue tirar vídeos do MBL do ar

A “guerra” declarada por Ciro Gomes contra o MBL nesta quarta-feira, 18, começou na verdade há cerca de duas semanas. No dia 6, o PDT entrou com duas representações junto ao TSE, para tirar do ar dois vídeos divulgados no YouTube por integrantes do grupo, sob a alegação de que agrediam a honra de Ciro — o pré-candidato à Presidência do partido — e propagavam informações falsas a seu respeito. Um deles foi produzido por Arthur do Val, do canal Mamaefalei, pré-candidato a deputado estadual pelo DEM em São Paulo, e o outro, por Carmelo Neto, coordenador do MBL no Ceará (veja os vídeos abaixo).

No dia 11, porém, a ministra Rosa Weber, presidente eleita do TSE, negou os pedidos de liminar ao PDT, mas  determinou a citação dos acusados para que apresentassem suas defesas, assim como a manifestação do Ministério Público Eleitoral sobre os casos, o que até agora não ocorreu. “Não se extraem das mensagens elementos suficientes à configuração de transgressão comunicativa”, afirmou  em seu despacho. “As afirmações, aparentemente, se voltam à postura política do representante, assumindo o sentido de crítica e não de humilhação.” / José Fucs

 

 

VOLTAR PARA O ESTADÃO