13.09.2018 | 08h36

Toffoli com moderação

“O Supremo ainda não encontrou seu ponto de equilíbrio na balança da crise política brasileira. Embora tenha sofrido arranhões, o tribunal conseguiu se proteger, de modo geral, da ebulição dos tempos recentes. Tropeçou, no entanto, no papel de árbitro da vida pública”, escreveu Bruno Boghossian na Folha.

Na avaliação do colunista, Dias Toffoli, que assume nesta quinta-feira, 13, o comando do STF, terá  a missão de ser um moderador e de buscar o equilíbrio e o papel da Corte em médio a crise política brasileira.


Notícias relacionadas

Mais conteúdo sobre:

Dias ToffoliSTFcrise política
VOLTAR PARA O ESTADÃO