08.08.2018 | 19h19

Temer é de todos, mas não é de ninguém

Nos seus últimos meses de governo, Michel Temer optou por ter uma atuação mais discreta, adotada logo depois de perceber que sua vontade de concorrer a um novo mandato era insustentável por conta de sua alta rejeição.

Mesmo assim, tudo indica que seu legado estará em discussão na campanha, só que pelo lado negativo. Petistas tentam colar em Geraldo Alckmin o peso negativo de sua proximidade com o governo de Temer – o PSDB ocupou três ministérios. Enquanto isso, Alckmin e seus aliados lembram que o presidente entrou na chapa encabeçada por Dilma Rousseff por escolha de Lula e do PT. /M.M.


Mais conteúdo sobre:

Michel TemerGeraldo AlckminLula
VOLTAR PARA O ESTADÃO