01.01.2019 | 18h30

Temer e a travessia do deserto

Michel Temer terminou hoje seu mandato presidencial, mas, talvez, esse período possa ser comparado ao de uma travessia do deserto. O ex-presidente substituiu Dilma Rousseff e encontrou a economia num quadro de recessão técnica, desempregos aos milhões e uma crise política fortíssima acusada pelos efeitos do impeachment. Durante seu governo, foi atingido pela impacto da delação de Joesley Batista, que quase provocaram sua queda. Sai com o saldo negativo de três denúncias apresentadas contra ele pela Procuradoria Geral da República. Duas delas conseguiu derrubar no Congresso.

No fim de sua travessia, Temer acumula desgaste na sua imagem e ainda precisará enfrentar os desdobramentos das acusações de suposto envolvimento em irregularidades. Mas deixa um terreno muito mais pavimentado para que Jair Bolsonaro possa avançar na retomada do crescimento do País, com o ajuste fiscal e a reforma trabalhista aprovadas, inflação e juros baixos e controlados, entre outros pontos. /M.M.

 


Mais conteúdo sobre:

Michel Temer
VOLTAR PARA O ESTADÃO