01.11.2018 | 08h56

Tem bateção de cabeça

O colunista Celso Ming analisa, no Estadão, este início tumultuado das transações da nova equipe econômica, especialmente a “lucubração” do futuro ministro Onyx Lorenzoni sobre política fiscal. “Como pouco se sabe do que será a próxima política econômica e o próprio Bolsonaro reconhece conhecer pouco o assunto, muito desse caminho terá de ser feito ao andar, como no poema de Antonio Machado. Quer dizer, a temporada está aberta para bizarrices de todo calibre, com ou sem bateção de cabeças”, escreve.


Mais conteúdo sobre:

Jair Bolsonaropolítica fiscal
VOLTAR PARA O ESTADÃO