01.08.2018 | 16h44

Tática ‘equivocada’ de combate

Em primeiro lugar nas sondagens eleitorais sem Lula, Jair Bolsonaro passou a ser o adversário a ser combatido a qualquer preço. Quem procura confrontá-lo no campo das “questões culturais”, como ditadura, feminismo, racismo ou direito a portar arma, se equivoca, analisa o professor Marcos Nobre, na revista piauí. Segundo ele, essa tática “disfarça mal seu elitismo”.

“O estado de negação em que se encontra boa parte da elite pensante está atrasando de maneira alarmante o combate efetivo a essa ameaça, que tem de ser travado, neste momento, na arena propriamente eleitoral”, escreve.


VOLTAR PARA O ESTADÃO