11.07.2019 | 18h35

Se for indicado embaixador, Eduardo terá de passar pelo crivo do Senado

Se realmente resolver bancar a indicação do filho Eduardo para a Embaixada dos Estados Unidos, Jair Bolsonaro estará fazendo um movimento de alto risco político. Primeiro, porque sofrerá críticas por escolher o próprio filho para um posto tão expressivo na diplomacia nacional.

Além disso, como qualquer indicação para embaixada precisa ser aprovada pelo Senado, imaginem o desgaste na imagem do presidente se o nome de seu filho for rejeitado. E o Senado, historicamente, gosta de aproveitar esse tipo de indicação para mandar seus recados ao governo da ocasião. /M.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO