09.01.2019 | 19h44

Querem colocar confusão na conta de Temer

Depois de passar o dia se desgastando por causa da trapalhada na elaboração do conteúdo do edital dos livros didáticos, o governo quer espetar o problema na conta da administração de Michel Temer. As mudanças, que abriam brecha para que os livros contivessem erros, já que não exigiam o uso de referências bibliográficas, foram feitas, segundo nota do Ministério da Educação, na gestão anterior da Pasta, no dia 28 de dezembro. Ou seja, quando Temer ainda era o presidente.

O que a nota não cita é que nessa data a equipe de transição já contava com os futuros integrantes do governo de Jair Bolsonaro trabalhando sobre as medidas que seriam assinadas. E mesmo que não tivessem responsabilidade sobre essas alterações no livro didático, os novos integrantes da Pasta poderiam ter revisado tudo o que foi autorizado antes de deixar que o ato fosse  posto em prática, o que aconteceu dia 2 de janeiro, já na atual administração. Hoje, dia 9, as medidas caíram depois da gritaria geral contra as mudanças. /M.M.


Mais conteúdo sobre:

educaçãolivros didáticos
VOLTAR PARA O ESTADÃO