13.08.2019 | 10h47

Porta-voz da Presidência vai deixar a Secom

Depois de passar por episódios de pressão e de divergências constantes com o secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, não ficará mais subordinado à Secretaria de Comunicação, de acordo com a Coluna do Estadão. A separação, segundo interlocutores, teria sido de comum acordo. Wajngarten foi indicado para o cargo pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho de do presidente Jair Bolsonaro. Os embates entre ele e Rêgo Barros eram principalmente por discordância sobre a postura que o presidente deveria adotar com a imprensa. Os cafés da manhã organizados pelo porta-voz para melhorar a relação de Bolsonaro com veículos de comunicação motivou boa parte dos desentendimentos entre os dois.

O pico foi quando em um café da manhã com jornalistas estrangeiros Bolsonaro acabou fazendo declarações polêmicas, como dizer que era mentira a existência de fome no Brasil. Além disso, uma gravação do café capturou áudio de Bolsonaro criticando o governador do Maranhão, Flávio Dino, e se referindo aos nordestinos com um termo pejorativo. Desde que assumiu a Secretaria de Governo, o ministro Luiz Eduardo Ramos conseguiu pacificar a relação das duas alas da comunicação. A ideia é que o general e sua equipe continuem na Secretaria de Governo, que também abriga a Secom, mas devem migrar para outra secretaria, como a executiva ou mesmo chefia de gabinete.


VOLTAR PARA O ESTADÃO