01.10.2018 | 15h13

Palanques regionais vão pesar

Parece chover no molhado, mas candidatos ao Planalto que não se preocuparam em montar palanques regionais fortes estão pagando uma alta conta nesta reta final da campanha. Na Bahia, por exemplo, Fernando Haddad terá o apoio do governador Rui Costa, que está disparado nas pesquisas.

Costa lidera com 61% das intenções de voto, num Estado que contabiliza 10,3 milhões de eleitores. Assim, Haddad aparece com 39% das intenções de voto para presidente no Estado, segundo a última pesquisa do Ibope para a Bahia. Como o PSDB está apoiando um candidato fraco na disputa (José Ronaldo, do DEM), Geraldo Alckmin soma apenas 5% nas intenções de votos entre os baianos. Jair Bolsonaro, que faz praticamente voo solo na Bahia, tem 17%. Ou seja, Haddad tem 22 pontos porcentuais a mais que Bolsonaro e 34 a mais do que Alckmin no quarto maior Estado em número de eleitores. /M.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO