08.08.2018 | 14h16

Os sinais eleitorais do BC

Muito em função das incertezas, as eleições estão no radar dos integrantes do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central a ponto de constar na ata de reunião divulgada na terça, 7, um indicativo “da permanência da Selic em 6,5% pelo menos até a próxima reunião”, informa Miriam Leitão no Globo.

“Num cenário como o que o Brasil vive, de inflação na meta e alta capacidade ociosa na economia, qual é o melhor remédio? A ata avisa que a “prescrição” é de “política estimulativa”. Quer dizer: os juros permanecerem baixos por bastante tempo para que isso incentive o crescimento”, escreve.


Mais conteúdo sobre:

CopomBanco Central
VOLTAR PARA O ESTADÃO