02.04.2018 | 06h40

Os olhos do País sobre Rosa

Dois dias antes de o STF voltar a se reunir para julgar o habeas corpus da defesa do ex-presidente Lula –e, portanto, se cabe ou não prisão imediatamente após condenação em segunda instância–, todas as atenções se voltam para Rosa Weber, cujo voto pode ser decisivo.

Reportagem no Estadão mostra uma ministra de atuação discreta, cujo gabinete ganhou o apelido de “Coreia de Norte”, por ser inacessível a advogados. Na Folha, levantamento mostra que, a despeito de ter votado pela prisão apenas após o trânsito em julgado, Rosa respeita a jurisprudência em vigor: negou liberdade a 57 de 58 presos cujos casos analisou nos últimos dois anos.


VOLTAR PARA O ESTADÃO