19.10.2018 | 12h47

Ódio ao Acordo de Paris

O Acordo de Paris, assinado por 195 países em 2015 para conter o aquecimento do planeta, ainda vai dar muito pano pra a manga caso Jair Bolsonaro seja eleito. De um lado, estão ex-embaixadores brasileiros, como Rubens Ricupero e Rubens Barbosa, alertando sobre os efeitos comerciais internacionais em caso de abandono dos compromissos já firmados pelo Brasil.

De outro, ruralistas, como Luiz Antônio Nabhan Garcia, irados com a legislação que tenta evitar o desmatamento da Amazônia. “Se fosse papel higiênico, serviria (Acordo de Paris) apenas para limpar a bunda”, disparou o aliado de Bolsonaro, informa o Estadão.


VOLTAR PARA O ESTADÃO