08.04.2018 | 13h59

O ‘testamento’ de Lula

Assim como fez Getúlio Vargas em 1954, Lula se despediu “em tom messiânico” e deixou uma espécie de testamento a seus aliados, escreve Bernardo Mello Franco no jornal O Globo.

Mas, enquanto Getúlio teria aberto caminho aos futuros presidentes Juscelino Kubitschek e João Goulart, o petista dificilmente terá a oportunidade de pedir votos daqui para frente para seus aliados Fernando Haddad, Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila. “Por isso, Lula aproveitou o último ato para apontar sucessores e produzir imagens de campanha.”


Mais conteúdo sobre:

Bernardo Mello Francoprisão de Lula
VOLTAR PARA O ESTADÃO