10.01.2019 | 14h13

O peso do voto secreto

A decisão tomada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, determinando que a eleição para o comando da Câmara e do Senado continue sendo feita com voto fechado, tem peso inegável na disputa. Especialmente no Senado.

Na Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) já é favorito para a reeleição por ter montado uma frente de apoio que inclui dez partidos e deve crescer. Mas, no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL) poderia ter seu favoritismo ameaçado se a votação fosse aberta. Vários candidatos alternativos até se dispunham a bater chapa contra ele se os votos fossem públicos. Com a manutenção do voto secreto, tiraram o bloco da rua e acham que Renan já pode encomendar o terno da posse. /M.M.

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO