27.07.2018 | 07h16

O frenesi pelo vice

Afinal, por que esse frenesi pelo vice, se nem os candidatos a presidente ainda empolgam boa parcela do eleitorado? Eliane Cantanhêde propõe a questão em sua coluna no Estadão desta quinta-feira. “Primeiro, por uma questão prática: vice consolida alianças, traz tempo de TV, “agrega valor” regional, ou de gênero, ou financeiro, às campanhas. Segundo, por uma questão mais simbólica, hipotética: a história registra que José Sarney, Itamar Franco e Michel Temer só viraram presidentes por impedimento dos titulares”.


VOLTAR PARA O ESTADÃO