18.09.2018 | 20h49

O ‘Copom do câmbio’ de Benevides

O economista Mauro Benevides Filho, conselheiro do presidenciável Ciro Gomes, defendeu nesta terça-feira, 18,que as intervenções do Banco Central no câmbio devem passar pelo crivo de um grupo semelhante do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Segundo ele, a medida traria “mais transparência” à gestão cambial e não caracterizaria uma intervenção no mercado.

“Estas intervenções precisam ser melhor equacionadas”, afirmou Benevides, durante sabatina realizada pelo Estadão em parceria com o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). “Não faz sentido um cara, sozinho, definir o rumo do câmbio com US$ 120 bilhões em swaps cambiais. O Copom tem uma atuação bem clara e definida, pautada por critérios técnicos. É isso que queremos levar ao câmbio.”  / J.F.


VOLTAR PARA O ESTADÃO