25.11.2018 | 15h21

O apetite sem fim dos magistrados

Os magistrados parecem dar de ombros para o déficit nas contas públicas e a indignação da sociedade contra os privilégios custeados com o dinheiro dos contribuintes. Para a turma da toga, nem o possível aumento de 16,38% nos vencimentos, que já representa uma aberração na atual conjuntura, mostra-se suficiente. Agora, eles querem também manter o auxílio-moradia, cuja extinção teria sido prometida a Temer pelo ministro Dias Toffoli, presidente do STF, em troca da sanção do aumento aos ministros da Corte, que contagia, pelo “efeito cascata”, todo o Judiciário.

Segundo o Estadão, a Associação de Magistrados Brasileiros (AMB) pediu ao ministro Luiz Fux, também do STF, que não revogue as liminares de sua autoria que garantem o pagamento de auxílio-moradia a juízes e procuradores do País. E, se ele decidir pelo fim do benefício de R$ 4,3 mil mensais para os juízes, que seja previsto um “regime de transição”, para não haver uma perda brusca nas remunerações. Esse é o Brasil. / J.F.


VOLTAR PARA O ESTADÃO