16.09.2018 | 13h30

O aceno de Toffoli

“O novo presidente do Supremo Tribunal Federal não disse a que veio em seu discurso de posse. Em 27 páginas, o ministro Dias Toffoli se esquivou de polêmicas e fez uma promessa vaga de ‘pacificação’. Citou os pensadores Renato Russo e Leandro Karnal, mas não encontrou tempo para falar de mordomias e privilégios. A palavra ‘corrupção’, que tem dominado a agenda da Corte, foi lembrada apenas duas vezes. Numa delas, o orador discorria sobre um programa de TV”, escreveu Bernardo Mello Franco no Globo.
O colunista mostra preocupação a respeito de como o novo presidente do STF deve conduzir questões relacionadas a investigados na Operação Lava Jato.


Mais conteúdo sobre:

STF Dias Toffoli
VOLTAR PARA O ESTADÃO