21.03.2018 | 18h21

Do jeito que vai, extremos podem se dar bem

A profusão de candidaturas de centro poderá pulverizar os votos do grupo e favorecer os candidatos à direita, como Jair Bolsonaro (PSL), ou à esquerda, como Ciro Gomes (PDT).

Até agora, são pelo menos sete  os possíveis candidatos que podem ser enquadrados como de centro ou muito próximos ao centro: o presidente Michel Temer (PMDB), o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), o deputado Rodrigo Maia (DEM), presidente da Câmara dos Deputados, o senador Álvaro Dias (Podemos) e até o senador e ex-presidente Fernando Collor PTC) e o atual presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro (PSC), que já esteve mais à direita, mas nos últimos tempos deu uns passinhos para a esquerda.

É difícil dizer no momento se todas essas candidaturas irão se confirmar, mas desde já a multiplicação de possíveis candidatos de centro acende um sinal de alerta. aos que temem a radicalização do processo político no País. / J.F.

 

Mais conteúdo sobre:

PSDBPMDBPSDDEMPTCPodemosPSC
VOLTAR PARA O ESTADÃO