27.04.2019 | 14h18

Ministro consente ou cala, diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro voltou a defender a censura à propaganda do Banco do Brasil na manhã deste sábado, após visita à menina Yasmin Alves, de 8 anos, na Estrutural, uma favela no entorno de Brasília. “Quem indica e nomeia presidente do BB, não sou eu? Não preciso falar mais nada então. A linha mudou, a massa quer respeito à família, ninguém quer perseguir minoria nenhuma. E nós não queremos que dinheiro público seja usado dessa maneira. Não é a minha linha. Vocês sabem que não é minha linha.”

Em entrevista ao jornal O Globo, o ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto Santos Cruz, havia recuado da determinação de que todas as estatais deveriam submeter o conteúdo de suas propagandas ao governo. Bolsonaro deu uma declaração que vai de encontro à de Santos Cruz: “Olha, por exemplo, meus ministros, eu tinha uma linha, armamento. Eu não sou armamentista? Então ministro meu ou é armamentista ou fica em silêncio. É a regra do jogo”.


VOLTAR PARA O ESTADÃO