13.03.2019 | 07h53

Militares veem ‘legado’ da intervenção com prisões

Militares que atuaram na intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro comemorou as prisões dos executores do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes como um legado do período. Em reportagem nesta quarta-feira, o Estadão reconstitui os bastidores que levaram aos nomes do policial Ronnie Lessa e do ex-PM Elcio Queiroz.

O ex-ministro da Segurança louvou o trabalho que levou às prisões preventivas, mas disse que as investigações até aqui não são suficientes para encerrar o caso.


VOLTAR PARA O ESTADÃO