28.08.2018 | 06h14

‘Mensalinho do Twitter’ na mira do MP

O Ministério Público Eleitoral de Minas e o do Piauí analisam documentos e informações sobre a suspeita de que agências de marketing digital e empresas de aplicativos atuaram para pagar, de forma vedada pela lei eleitoral, posts no Twitter para promover candidatos petistas, como Gleisi Hoffmann (PR) e Wellington Dias (PI). “Isto pode instrumentalizar uma futura ação de investigação judicial eleitoral, que poderá culminar, aos candidatos beneficiários dessa atividade ilegal, na cassação do registro da candidatura ou do diploma dos mandatos, caso sejam eleitos”, disse ao Estadão Patrício Noé, procurador do Piauí.


VOLTAR PARA O ESTADÃO