16.07.2018 | 19h46

MBL contesta versão da defesa de Lula

O MBL contesta a versão divulgada pela defesa de Lula de que a ação protocolada pelo movimento junto ao TSE, para que o ex-presidente seja declarado inelegível desde já, além de impedido de registrar sua candidatura e de ter seu nome citado em pesquisas, teria poucas chances de prosperar, sob a alegação de que sua candidatura sequer foi registrada e de que o MBL não teria legitimidade para propô-la, por não ser partido político nem ter candidato próprio à Presidência.

De acordo com o MBL, não se trata de um “pedido de impugnação” de registro eleitoral, mas de um “pedido de tutela de evidência” com base em fato público e notório, já que Lula se coloca como pré-candidato e seu nome consta nas pesquisas eleitorais, mesmo após ele ser condenado em segunda instância e se tornar inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Na visão de representantes do MBL, o próprio relator da ação no TSE, ministro Admar Gonzaga, já afirmou que a Corte pode declarar a inelegibilidade de Lula “de ofício”, ou seja, sem ser requisitada a fazê-lo. / José Fucs


VOLTAR PARA O ESTADÃO