22.08.2018 | 07h16

Manobra de risco em eleição curta

A estratégia do PT de insistir ao máximo na candidatura de Lula alimenta, por ora, o maior opositor do petismo: Jair Bolsonaro. Em análise a partir dos resultados da pesquisa Datafolha, Mauro Paulino e Alessandro Janoni, diretores do instituto, avaliam que se trata de uma aposta ousada. “O imbróglio gera ruído em uma campanha de “tiro curto”, com pouco espaço para manobras arriscadas, especialmente numa eleição em que o desinteresse é o mais alto desde 1994”, escrevem na Folha.


VOLTAR PARA O ESTADÃO