25.11.2018 | 08h30

‘Mais Guedes, menos Carvalho’

“Mais Brasil, menos Brasília”? Eliane Cantanhêde sugere um outro mote para o novo governo em sua coluna no Estadão deste domingo: mais Paulo Guedes, menos Olavo de Carvalho. “Talvez fosse melhor Jair Bolsonaro trocar a metafísica do distante Olavo de Carvalho pelos critérios de Paulo Guedes”, disse. “Vamos combinar que as escolhas do ministro da Fazenda para salvar a economia do País estão sendo bem mais pragmáticas, úteis e consensuais do que as do filósofo erudito para salvar o mundo e o Brasil dos próprios demônios dele.”

Na visão da jornalista, as escolhas de Ernesto Araújo para o Itamaraty e de Ricardo Vélez Rodríguez para a Educação são questionáveis. “Num campo mais concreto: assim como o futuro chanceler deve explicações sobre como projetar a imagem do Brasil, atrair investimentos, melhorar as condições de comércio e fortalecer parcerias, espera-se que o ministro da Educação diga com clareza o que ele pretende fazer pela… educação”, escreveu. “


VOLTAR PARA O ESTADÃO