14.02.2019 | 07h28

Luciano Bivar, o personagem invisível

Não deixa de ser irônico que Carlos Bolsonaro tenha abraçado uma reportagem de um jornal constantemente atacado pela família Bolsonaro para tentar defenestrar o inimigo Gustavo Bebianno. Diante desse objetivo, um personagem passa ao largo da crise, ao menos até aqui: Luciano Bivar, o presidente de fato do PSL e que cedeu a sigla para abrigar a família e aliados de Bolsonaro já na reta final do prazo de filiação partidária.

A própria reportagem da Folha começava dizendo que foi Bivar –e não Bebianno– quem “criou” uma candidata laranja em seu quintal eleitoral, Pernambuco, que recebeu R$ 400 mil e teve 274 votos. As gráficas que fizeram o serviço são ligadas a ele. O próprio Bivar foi o pesselista mais aquinhoado com recursos do fundo partidário. Mesmo na fase em que esteve afastado da presidência da sigla para Gustavo Bebianno coordenar a campanha nacional, ele manteve cinco assessores designados para ajudar o hoje ministro. / V.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO