01.11.2018 | 10h41

‘Liberdade de aprender e ensinar’

A polêmica do projeto Escola sem Partido, que pretende eliminar a “doutrinação ideológica” nos estabelecimentos de ensino, pode sofrer resistência também no Supremo Tribunal Federal. O plenário da Corte vai debater, no dia 25 de novembro, a decisão do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, de barrar a lei que instituiu a Escola Livre, em Alagoas. Barroso evocou, na época, a “liberdade de aprender e de ensinar; o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; a valorização dos profissionais da educação escolar.”


Mais conteúdo sobre:

Escola sem partidoEscola LivreSTF
VOLTAR PARA O ESTADÃO