06.11.2018 | 15h49

‘Liberdade’ à vista para médicos cubanos?

Em artigo publicado em inglês em seu site, a Fundação para os Direitos Humanos em Cuba (FHRC) comemorou a “liberdade para os médicos cubanos escravizados”, prometida pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.  Em entrevista ao Correio Braziliense, Bolsonaro afirmou que, em seu governo, o programa “Mais Médicos”, iniciado por Dilma em 2013 e impulsionado por médicos cubanos, poderá continuar, mas passará por mudanças significativas.

Ele disse que, em vez de os 11.420 médicos cubanos do programa receberem só 25% do valor contratado com o governo de Cuba, a ideia é repassar a eles o valor integral da remuneração. Bolsonaro afirmou também que permitirá aos filhos dos médicos, hoje proibidos pelo regime cubano de vir ao País, possam se juntar a eles. “Isso para uma mãe, não é mais que uma tortura? Ficar um ano longe dos filhos menores?”, perguntou Bolsonaro. / J.F.

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO