05.07.2018 | 10h34

‘Lei de silêncio’ no caso Marielle

A ‘verborragia’ de Raul Jungmann foi motivo para a criação de uma espécie de ordem de silêncio em relação às investigações do assassinato de Marielle Franco. Segundo apurou O Globo, as declarações do então ministro da Defesa, principalmente em relação ao envolvimento de milícias, teriam prejudicado as investigações.

Michel Temer e o interventor federal na segurança pública do Rio, general Walter Braga Netto, acertaram o pacto de silêncio.

 


VOLTAR PARA O ESTADÃO