08.11.2018 | 14h02

Interpretando sinais

“Sinais são faltam. Alguns representam marketing em estado bruto, como a arminha com as mãos na tribuna da Câmara, depois transformada em coraçãozinho, ou o café da manhã com pão e leite condensado”, escreveu Roberto Dias na Folha.

Na avaliação do colunista, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), debateu pouco durante a campanha e ainda fala pouco depois de eleito. Com isso, resta que seus gestos e sinais de como será o governo sejam interpretados.


VOLTAR PARA O ESTADÃO