29.11.2018 | 18h35

Indulto permanece barrado, por enquanto

Nada definido no julgamento sobre a ação contra o indulto natalino.  E após uma imbróglio gerado pela própria corte. Explica-se: o ministro Luiz Fux pediu vista no julgamento quando o placar estava 6 a 2 pela liberação. Gilmar Mendes, então, sugeriu que como já havia maioria contra a liminar expedida por Luís Roberto Barroso contra o indulto, deveria-se derrubar as restrições.

Uma nova votação foi iniciada. Na hora de Dias Toffoli votar, ele preferiu pedir vista da questão de ordem, para aguardar o voto de Ricardo Lewandowski (que já havia deixado a Corte). Resumo da ópera: as liminares restringindo o indulto continuam valendo. Por enquanto.


Mais conteúdo sobre:

STF Indulto natalino
VOLTAR PARA O ESTADÃO