09.02.2019 | 09h00

Hartung e os frutos da não-reeleição

Além de ter assumido como conselheiro na Secretaria de Educação de São Paulo, a convite de João Doria Jr., Paulo Hartung tem sido requisitado como consultor e palestrante para falar de contas públicas em fóruns como a Fundação Fernando Henrique Cardoso e o RenovaBR. O cartão de visitas é o contraste entre os números do Espírito Santo e os de Estados em difícil situação fiscal e sem os mesmos indicadores. Hartung estimou ter deixado R$ 450 milhões em caixa, mas balanço publicado pelo governo Renato Casagrande na semana passada fixou esse valor em R$ 778 milhões.

Hartung teve mais feeling que muitos políticos ao antever que a onda era de renovação e não se candidatar à reeleição. Graças a isso, ele tem sido procurado para aglutinar um novo centro e está à frente de discussões para a criação de um novo partido que agregue dissidentes do MDB, do PSDB, do DEM e de legendas de centro-esquerda. / V.M.


Mais conteúdo sobre:

Paulo Hartungresponsabilidade fiscal
VOLTAR PARA O ESTADÃO