12.10.2018 | 20h02

Haddad, a metamorfose ambulante

Nesta campanha, Fernando Haddad já foi coordenador do programa de governo do PT, advogado de Lula, vice-presidente na chapa de Lula, substituto de Lula, cover de Lula, Andrade, Radard… Levado ao segundo turno por este blend de personalidades, agora encarna outras: se afastou convenientemente de Lula, passou a evocar com mais frequência a (real) influência do avô líder religioso em sua formação e, agora, fez questão de ir a uma missa no dia de Nossa Senhora de Aparecida e comungar.

Enquanto prefeito, Haddad não ficou conhecido pela assiduidade a missas e atos religiosos. Tampouco essa característica costumava ser reforçada por ele ao descrever a própria trajetória –a ascensão no movimento estudantil, o trabalho na loja do pai, a carreira multidisciplinar na academia e a posterior carreira no setor público sempre foram seus principais atributos. Essa falta de nitidez de personalidade talvez seja uma das razões da dificuldade eleitoral do candidato do PT. / V.M.


Mais conteúdo sobre:

Fernando Haddaddiscursoreligião
VOLTAR PARA O ESTADÃO