13.07.2018 | 06h28

Guardia vê transição pior que em 2002

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, alerta, em entrevista ao Estadão, para os riscos que o populismo fiscal e tributário adotado nas últimas votações do Congresso embute para o próximo governo. Ele lembra que, a despeito de a economia estar melhor hoje que em 2002, as contas públicas estão em pior situação que na transição de FHC para Lula. “Nosso papel é dialogar e mostrar os efeitos das decisões. E deixar claro que uma decisão dessas será compensada de alguma forma nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal.”, afirma.


VOLTAR PARA O ESTADÃO