28.10.2018 | 22h21

Governos estaduais: o prêmio de consolação petista

Ao negociar com a “neutralidade” do PSB (e minar a candidatura do pedetista Ciro Gomes), o PT deixava claro que seu foco principal era a eleição presidencial. Fechadas as urnas, o partido terá que se contentar em ser o partido com controle do maior número de Estados. Foram quatro no total: Bahia, Ceará e Piauí (com, respectivamente, Rui Costa, Camilo Santana e Wellington Dias triunfando em primeiro turno) e Rio Grande do Norte (com a vitória de Fátima Bezerra neste domingo). Um Estado a menos do que o partido conquistou em 2014, quando levou cinco governadores.

Já para o PSB, que teria apoio petista em quatro Estados, acabou levando só dois, ambos em primeiro turno: Pernambuco e na Paraíba. No Amazonas o candidato do partido não conseguiu nem mesmo ir ao segundo turno. No Amapá, o vencedor foi justamente Waldez Góes, do PDT de Ciro Gomes, sobre o peesebista Capi.


Mais conteúdo sobre:

governos estaduaisPTPSB
VOLTAR PARA O ESTADÃO