14.03.2018 | 13h12

O que a decisão de Gilmar indica para o caso Lula?

Não adiantou nada a presidente do STF, Cármen Lúcia, evitar levar o tema da prisão após condenação em segunda instância ao plenário para evitar mudar a jurisprudência: Gilmar Mendes já resolveu mudá-la por conta própria.

O ministro concedeu habeas corpus a quatro condenados na Operação Catuaba, que investiga sonegação em venda de bebidas, contra a execução imediata das penas.

Assim, a situação de Lula, em resumo, é a seguinte: se seu habeas corpus for decidido por Ricardo Lewandowski, não será preso; se for analisado por Fachin, será; se for analisado pela Segunda Turma, não será, e se cair no plenário, só Deus sabe. /V.M.


VOLTAR PARA O ESTADÃO