03.02.2019 | 18h12

Gabinete motiva guerra no Senado

Um gabinete no Senado virou motivo de uma guerra de liminares na véspera da eleição para presidente da Casa. O senador Álvaro Coronel (PSD-BA) se recusou a sair do gabinete que estava, mas que havia sido designado pelo então presidente do Senado, Eunicio Oliveira, como é de praxe, ao senador Iraja (PSD-TO). A sala foi parar nas mãos de Coronel, pelo seu ocupante anterior, senador Vicentinho Alves (PR-TO), desafeto de Iraja.

Na quinta-feira, perto das 18h,o Coronel conseguiu uma liminar que garantia sua permanência no gabinete. Iraja recorreu e a decisão do TRF-1 saiu por volta das 3h, já no dia da posse. Segundo pessoas que presenciaram a situação, o Coronel se recusou a deixar o gabinete. Irajá disse que só iria embora quando pudesse ocupar seu gabinete. Depois de muita conversa e até a participação da polícia legislativa, o Coronel deixou a sala, por volta das 9h de ontem, informou a Coluna do Estadão.


VOLTAR PARA O ESTADÃO