13.07.2018 | 11h33

Financiamento proibido ajuda apoiadores

Apesar de o financiamento coletivo pela internet estar liberado nestas eleições, há regras a seguir. Reportagem do jornal O Globo mostra que apoiadores de pré-candidatos estão arrecadando dinheiro em sites não autorizados pela Justiça Federal, para impulsionar páginas não oficiais nas redes. São 50 sites permitidos, e o Vakinha, usado por apoiadores de Marina Silva e Jair Bolsonaro, não é um deles.

O TSE  informa que só pode investigar casos específicos se houver representação.


VOLTAR PARA O ESTADÃO