03.08.2018 | 07h16

Faz-se o diabo

Eliane Cantanhêde resgata uma das máximas de Dilma Rousseff, “em eleições faz-se o diabo”, para traçar um panorama das ações do PT nos últimos dias, comandadas por Lula direto da prisão em Curitiba. Ela compara a tentativa petista de tirar Marília Arraes do páreo em Pernambuco à ofensiva do partido contra Luizianne Lins em Fortaleza, em 2004. Na época, a candidata a prefeita resistiu, assim como faz a neta de Miguel Arraes. “O PT rifa seus nomes por hegemonia e alianças, mas nem todos vão engolir calados”, escreve a colunista do Estadão.


VOLTAR PARA O ESTADÃO