11.09.2018 | 17h56

‘Facas não entram sem ação de criminosos’

Em seu blog no Estadão, Ana Paula Henkel, ex-jogadora da seleção brasileira de vôlei, diz que o atentado contra Bolsonaro a fez lembrar do livro A Faca Entrou, de Theodore Dalrymple. No livro, o psiquiatra britânico analisa a tendência atual de substituir a responsabilidade individual pela visão de que somos marionetes de nossa etnia, nosso gênero, nossa orientação sexual ou outra identidade de grupo que sirva para terceirizar a culpa do que fazemos e pensamos.

“Facas não entram, armas não disparam, crimes não acontecem sem a ação de criminosos, cada vez mais ousados, por conta de um sistema penal que parece se solidarizar mais com bandidos do que com suas vítimas”, diz. Ana Paula espera, porém, que o ataque contra Bolsonaro, sirva para acalmar os ânimos no País.  “Quem apostar em mais enfrentamento, mais divisão e mais ódio pode ver o tiro sair pela culatra.”/ J.F.


VOLTAR PARA O ESTADÃO