07.08.2018 | 10h12

Está mais difícil para o ‘segundo poste’

Se em 2012 Fernando Haddad assumia o papel de ‘segundo poste’ de Lula e comemorava a vitória na Prefeitura de São Paulo, em 2018 a tarefa deverá ser mais difícil. Bernardo Mello Franco avalia que, sem a presença de Lula, sem a aura de novidade e com a reprovação dos paulistanos, Haddad vai precisar lutar para se erguer como segundo poste. Conquistar o Nordeste e boa parte do PT, que preferia Jaques Wagner, serão algumas das tarefas, opina o colunista do Globo.


VOLTAR PARA O ESTADÃO