07.11.2018 | 07h16

Ênfase na contrainteligência

Diante da probabilidade de que o general Augusto Heleno assuma mesmo a chefia do Gabinete de Segurança Institucional, conforme antecipou o Estadão, deve-se esperar ações baseadas na contrainteligência, analisa o repórter especial Roberto Godoy, especialista em questões militares.

O perfil de Heleno e a estrutura do GSI, o de mais fácil acesso direto ao presidente, devem levar a uma organização destinada a “abastecer a equipe da Presidência de informações a respeito de situações de risco e de identificar oportunidades de interesse do Estado Brasileiro”, escreve ele.


VOLTAR PARA O ESTADÃO