11.10.2018 | 08h19

Eleição e violência

“Ninguém está a salvo da devastação que se desenha no horizonte. Não haverá um lado vencedor, pois a própria configuração cultural que nos fornece o paradigma para divisar o que é um lado e o que é o outro vai virar pó no meio disso tudo”, escreveu Eugênio Bucci no Estadão.

O colunista, a partir dos vídeos e imagens de eleitores munidos de armas na hora do voto, aborda as diversas violências que tomaram conta da reta final do primeiro turno: agressão a jornalistas, o assassinato do capoeirista Moa, ameaças verbais de estupro e a própria facada sofrida pelo candidato do PSL à Presidência.


VOLTAR PARA O ESTADÃO